O Que (Ainda!!!) Me Seduz No Fast Fashion

Todo mundo já tá careca de saber que eu tenho tentando comprar menos em fast fashion e mais em marcas nicho, que produzam no Brasil e que tenha um sistema mais justo de trabalho. Eu tento, eu dou preferência, eu gosto, eu pesquiso mas eu (ainda!) não consegui abandonar a Zara e suas amigas.

por que os fast fashions ainda me seduzem

A verdade nua e crua é uma só: eu a.m.o ter sossego enquanto compro. Eu a.m.o não ter vendedora andando atrás de mim feito uma assombração. Eu a.m.o entrar, olhar, experimentar, devolver e ir embora sem ter que dar satisfação pra ninguém.  Eu poderia dizer que o que me seduz no fast fashion é o custo benefício do produto. Mas é mentira, super mentira, o que me leva até a Zara-Forever21-Renner-e-afins é muito mais que o preço, a qualidade [que nunca é maravilhosa, convenhamos!] e até mesmo o produto: é a paz. É não precisar interagir com um ser humano que sabe menos de moda que eu [ok, tô sendo arrogante, mas, 99% das vezes é o que acontece. E tudo bem, é o meu trabalho saber mais que a vendedora…], que quer me convencer a comprar de qualquer jeito, que fica me seguindo enquanto olho as araras – mesmo depois de dizer zilhões de vezes que ‘estou só olhando, obrigada’; que puxa um assunto chato, que fica me empurrando coisas no provador, que não para de dar pitaco onde eu não pedi e fazer comentários que me irritam, tipo ‘leva essa saia, tá saindo muuuito’. Sou ranzinza, não fui na loja fazer amigo, fui fazer comprar em paz, sozinha.

Naaaaaaaaada contra a pobre vendedora, pessoa física, que é só mais uma na multidão treinada pra fazer exatamente isso, mas tudo contra o método de venda do varejo. Meopaieterno, que suplício é entrar em uma loja! Tô pra dizer que já vieram me buscar na vitrine!!!! Nem passado pela porta eu tinha quando a vendedora já estava me cercando. O.d.e.i.o.! Deixo meeeesmo de entrar, fujo pra um fast fashion quando isso acontece: lá, pelo menos, consigo pensar em paz, respirar, olhar tudo, pegar mil itens, devolver, fuçar, achar exatamente o que quero. Ahhh, isso sim é luxo, gente!

E tem outra: eu já faço suuuper social quando estou em lojas vendo peças pras minhas clientes. Não ganho comissão em loja alguma, sou radicalmente contra, mas estabeleço, sim, uma relação profissional com a vendedora/gerente. É com ela que combino detalhes da minha visita, que horas eu vou, como eu vou, o que vai acontecer. Resumindo: quando vou comprar pra mim eu só quero ir, em silêncio, pensar sozinha, decidir sozinha, pagar e ir embora.

Pronto. Falei. 😛

Comente no facebook

comentários