A Polêmica Da Calça Skinny

Já vou começar o post falando: eu amo calça skinny, eu tenho várias, uso muito, acho lindo. Combinado? Eu não sou contra calça skinny e não vamos nesse post falar quem ~pode e quem não pode~ usar calça skinny. Pra quem chegou aqui por acaso ou só recentemente, eu defendo que todo mundo pode tudo. Comprou, pagou, levou, é sua, use como quiser. Tudo pode. Estamos combinadas? Continuando…

A polêmica com a calça skinny começou porque eu fiz um post no facebook [e depois no instagram, já me segue? @thaisfarage] falando que eu andei reparando e 99% das mulheres na rua estão usando calça skinny. No dia do post em questão, eu tava viajando, levei Miguel pra passear num parque e depois num museu e todas-as-mulheres-estavam-de-calça-skinny. Todas, menos eu. Meu ponto é: impossível que 40 mulheres diferentes, de idades diferentes, com histórias diferentes, com vidas e necessidades diferentes, tenham elegido conscientemente a calça skinny como a melhor opção estética e prática para a vida delas. Impossível. Primeiro porque, no quesito conforto, a calça skinny não é uma calça de moletom, convenhamos. Segundo porque ela não é das coisas mais chiques e embelezadoras do mundo — de novo, todo mundo pode usar, mas eu tenho certeza que muita gente usa achando que emagrece/disfarça quadril e isso, de maneira geral, não acontece. Eu digo isso porque eu já tive váááárias clientes que usavam calça skinny porque são gordinhas e acreditavam que esse era o modelo de jeans que melhor vestia o corpo delas. E ó, uma revolução aconteceu quando elas viram que não, não era. Já as meninas que vestem tamanhos grandes [maior que 46] e que usam skinny porque super é o estilo delas, eu fui a primeira a dizer: ame a sua skinny. Não tem a ver com ser gorda ou magra, baixa ou alta, mas sim com o seu estilo e com qual efeito você quer.

Voltando, não vou ficar aqui lançando mil teorias da conspiração, mas algumas coisas ficam bem óbvias pra mim: calça skinny é sexy, é justinha e é jeans, ou seja, é grossa, não fica marcando [as pessoas acham, né, porque marca, sim]. E essas são características que as brasileiras, de maneira geral, procuram na roupa. Roupa larguinha [não tô falando largona, hein], que contorna o corpo mas não cola na pele, costuma ser o pior pesadelo das mulheres. E puxa, que pena, porque há muita beleza e sofisticação em roupa menos justa. E, se prepara pra verdade, roupa esturricada no corpo não dá a sensação de estar mais magrinha, pelo contrário, o cérebro humano entende que a gente engordou/tá maior e, por isso, a roupa tá tão justa e apertada. Outra coisa que me faz acreditar na ‘febre da calça skinny’ é que a moda, o mercado, a revista, todo mundo decidiu que esse é modelo ‘mais fácil’ de usar. Aí junta a propensão brasileira pelo justinho-sexy + um mercado de moda que incentiva que skinny é mais legal, mais fácil e é só jogar uma blusa larguinha pra arrasar… pronto. Só tem skinny andando na rua.

De novo, quer usar calça skinny? Use, eu uso, tá tudo bem, mas eu te proponho um minuto de reflexão: é uma escolha consciente? Será que só esse modelo de jeans vai te fazer feliz? Se sim, será que só skinny jeans é bom? E skinny de outra cor? De outro tecido? Não rola variar entre skinny e outros modelos? Tem muito modelo legal, vai, tenta aí. 😉

Agora vamos lá pra vários modelos, tecidos e cores que podem fazer sucesso aí na sua vida, todos os modelos podem ser encontrados nessas lojas, ó: Damyller, GAP [o site da gap é americano mas a GAP tem lojas físicas no Brasil em São Paulo e no Rio.] e Levis — nessas tem os modelos mais tradicionais, tipo flare, boot cut. Zara e Topshop — nessas sempre tem os modelos que tão na moda, ótimo pra achar mom jeans, por exemplo. Asos é ótima, tem tamanho plus size e entrega no Brasil — não fica mais tão barato porque rola a famigerada taxa, né? Mas comprando direitinho vale super a pena! Quem tiver mais dicas deixa nos comentários.

  • Cigarrete: ela é prima-irmã da skinny [afunila bastante e é justinha], mas não é feita de jeans, como a skinny. A cigarrete é também mais curtinha, e termina no tornozelo.

calc%cc%a7a-cigarretecalc%cc%a7a-cigarrete-2

  • Calça Boyfriend: eu a-m-o calça boyfriend, acho muito cool e rola super com tênis cano alto — quando eu reclamei de todo mundo só usar skinny as meninas disseram que era porque só skinny ficava boa com tênis cano alto. Eu discordo e, inclusive, prefiro cano alto com boyfriend, mas aí é só gosto pessoal. Gwen Stefani é, pra mim, a rainha do jeans boyfriend.

jeans-boyfriend-1 jeans-boyfriend-2

  • Mom Jeans: a calça do momento e eu adoro, hahaha. Esse modelo tem uma pegada anos 90, aquela coisa quase-justa-mas-meio-larguinha no bumbum [as brasileiras, em geral, odeiam, hahaha], cintura alta e modelagem mais reta. A boyfriend, normalmente, é mais larga, cintura mais baixa e mais quadrada. A mom jeans tem cinturinha, um quadril quase justo [lembra de barrados no baile? hehe] e cavalo beeem grande.

mom-jeans-2mom-jeans

  • Boot cut: É a mais tradicionalzona, com boca mais aberta, mas menos que a flare, feita pra caber a bota dentro da calça. Aqui, a rainha é a Jennifer Aniston, ela esse modelo de calça desde que o mundo é mundo e segue fiel a ele até hoje!

jeans-boot-cut-2jeans-boot-cut

  • Flare ou boca de sino: essa pegou forte no Brasil também, mas sinto uma resistência em usar sem salto… rola super, gente, vamos usar!. 🙂

jeans-flarejeans-flare-2

Ufa, é isso! Espero que você se animem a, pelo menos, tentar sair do vício da skinny. Pra me acompanhar no dia a dia, me segue no instagram @thaisfarage e pra ver dicas em movimento, tem o meu youtube. Clica lá e se inscreve!

Comente no facebook

comentários