Corpo, Proporção e Auto Imagem

Lá vou eu pros assuntos complicados e difíceis. Tô há tempos pensando em escrever sobre corpo, proporção e auto imagem, isso porque eu já tive (mais de uma vez) cliente que acha que é maior (altura ou peso) do que de fato é, assim como já vi muito o contrário acontecer, pessoa que é alta ou gordinha e não enxerga isso. Que fique claro, estou falando de relação do corpo que existe no plano físico com a imagem que projetamos da gente mesmo, não estou falando de ser gorda e ‘não se enxergar’, isso é preconceito e eu acho repugnante.

Em termos técnicos, todo mundo precisa considerar o seu tamanho (lembrando que isso não é só altura!!!) para escolher roupa, sapato e acessórios. O acessório grande pra mim, que meço 1,60m e tenho toda estrutura pequena, é diferente do acessório grande da Ivete Sangalo, por exemplo, que é alta e tem estrutura maior. Dá pra entender? Não existe um acessório grande em valor absoluto, tudo precisa ser pensando em relação ao nosso corpo.

Pois bem, o que acontece quando a gente ignora isso ou quando a nossa auto imagem não condiz com a proporção real do corpo é um desajuste que incomoda visualmente. A pessoa muita grande que usa sapato super delicadinho e de acabamentos leves e frágeis corre o risco de passar a sensação que o pé não cabe ali dentro, mesmo cabendo, mesmo sendo o número certo.

Acontece muito também da pessoa emagrecer e não absorver o tamanho real do novo corpo, nesses casos ela continua comprando roupas em tamanhos maiores e usando as antigas, sem ajustar, porque ela não tá vendo que a roupa tá super larga, que o corpo agora é outro.

Isso é um assunto super comum na consultoria de estilo e, quando eu consigo ajudar a cliente a visualizar o quanto de espaço ela ocupa no mundo, sem piração, é um love story sem fim. Faz TODA a diferença.

Resumindo: a bolsa grande da moça pequenininha não é a mesma bolsa grande da moça alta. O sapato delicado da moça pequena não é o mesmo sapato delicado da moça grande… e por aí afora.

Claro que isso é uma regra técnica, claro que estilo compensa tudo. Então, se o seu estilo é esse, se você tem consciência disso, vai na fé, vai ser feliz. Normalmente funciona. O problema é sempre a falta de intenção e a auto imagem distorcida.

Sugestão: peladas, na frente do espelho, olhe com atenção, sem pressa, sem olhar viciado. Vamos nos olhar como se fosse a primeira vez, uma olhada caprichada e sem mentiras. Será que tem mesmo o tal do culote que a gente sempre reclama? Será que tem mesmo tanta celulite assim? Pernas grossas ou finas? Não é pra olhar se torturando, condenando, reclamando. É pra ser gentil com você, hein?! Pra olhar com carinho! <3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.