O Que Você Deveria Saber Sobre Gravidez

Acho, sinceramente, que é impossível se preparar para a gravidez. Volta e meia alguém me diz que quer emagrecer antes de parar a pílula ou que vai esperar a carreira bombar ou a carreira acalmar… também ouço muito que a pessoa quer antes aproveitar a vida, o casamento, que vai juntar dinheiro e por aí vai.

O que eu acho, so far, é que é tudo uma besteira. Esperar a carreira é uma merda, impossível saber, tudo muda, a gente não tem controle sobre tudo na vida – aliás, não temos controle sobre nada, a gente só se engana achando que tem. Juntar dinheiro e emagrecer eu também não consigo muito entender… aí você perde 10kg, junta muitos mil reais e não consegue engravidar, já pensou? Pode acontecer. E aí quando você se distrai, não planeja, pronto! Lá vem o neném. A natureza tem lá o seu tempo e não adianta querer mudar o mundo.

CLARO, não tô falando pra ninguém chutar o balde, ser inconsequente e, sim, ter filho é mega caro, vale ter o mínimo planejamento, sim. Mas vocês me entenderam, né?! Pra ter filho tem que desencanar um pouco, acreditar que as coisas se acertam por si só e vamos que vamos.

Mesmo assim, se eu pudesse ter escrito uma carta para mim mesma à la De Volta Para o Futuro (hehe), eu teria me dado um só conselho: Thais, se prepara para precisar das pessoas.

Eu odeio, sempre odiei, pedir ajuda e depender das pessoas. Eu sei, após anos de terapia: é misto de onipotência misturando com uma super independência criada graças à vida que eu tive sem escolher – quando minha mãe morreu eu tinha 14 anos, minha irmã 3 anos e não, não deu lá muito tempo de ficar com pena de mim. Só me sobrou ir viver, vencer os zilhões de problemas e desafios e ser feliz mesmo assim. Aprendi na marra a não depender das pessoas, a fazer o meu caminho, sozinha, a carregar as minhas malas, fazer os medos virarem coragem e achar soluções onde parecia não tem mais jeito.

E, por muitos anos, foi assim, eu nem notei, só agora, grávida, é que eu percebo como é difícil pra mim pedir ajuda, como custa depender da boa vontade dos outros, como é ruim – mas também uma aula de humildade – precisar de alguém além de você mesma.

Minha vida pode ser totalmente diferente da sua mas acredite: toda grávida fica um pouco mais dependente.

o que eu gostaria de saber antes de engravidar

Pode ser um dependência emocional: chorona, carente, querendo atenção, com medo, ansiosa, se sentindo sozinha. Mas pode estar também nas coisas mais simples! Em geral, todo mundo quer alguma companhia no dia do ultrassom, dividir o pré natal com alguém…

Pode ser dependência financeira: tem gente que vai precisar parar de trabalhar pra fazer repouso na gravidez ou que vai escolher ficar com o filho mais tempo que permite a licença a maternidade ou  vai precisar contratar empregada e babá pra dar conta… é bem possível que, sim, que durante a gravidez e depois no primeiro ano do seu neném a sua carreira dê uma estagnada. Conheço pouquíssimos casos de pessoas que bom-ba-ram muito durante a quarentena, hahaha. Acontece, não tem muito jeito.

Pode até não ser nenhuma dessas, mas de pedir ajuda ninguém se livra. Algumas coisas simplesmente não dependem mais de você, gravidez não é doença, óbvio, mas limita, sim, pelo menos quem tem juízo, haha.

No meu caso: não posso limpar a areia do Mingau porque é através das fezes que gato transmite toxoplasmose, doença seríssima na gravidez, e por mais que o Mingau tenha feito exames e não saia de casa, limpar a caixinha de areia é um risco que não posso/preciso correr. Bobagem, né? Aham! Mas por 7 anos eu não pedi pra ninguém e, sozinha, limpava tudo. Também não consigo ir ao supermercado sozinha, sempre ia a pé e voltava carregando um tanto de compras que eu aguentasse. Não posso mais ficar carregando peso e nem aguento. Quando o moço dos orgânicos deixa as compras na portaria eu ainda preciso pedir pro zelador me ajudar a subir com tudo, porque não, não dá mais pra fazer como antigamente – quando que abraçava o engradado e subia aos trancos e barrancos com as verduras e frutas debaixo do braço, hahaha. Também preciso pedir o assento preferencial no ônibus quando ninguém oferece, tenho medo de levar um tombo (ou trombada) porque fiquei em pé no ônibus lotado. Nem sempre consigo ir jantar na casa das pessoas sem especificar que eu, infelizmente, não poderei comer carne mal passada e a salada precisa ser muito bem lavada – é o mínimo, não dá mesmo pra abrir mão. Além, claro, de precisar comer em horários mais ou menos regulares e no meio da Copa do Mundo, acredite, vira uma missão. Tenho levado marmita pra onde eu vou. Minha pressão é baixíssima, sendo assim, volta e meia preciso pedir pra alguém um copo de água ou sentar no meio da rua porque fiquei com vontade de desmaiar. Isso só pra citar as coisas fáceis, bobas, cotidianas. Não vou nem entrar na parte mais profunda do problema…

Enfim, ninguém morreu e nem vai morrer por nada disso. Motivos pequenos, coisas bobinhas, nada que faça desmerecer a alegria e emoção de ter um Miguel saltitante na minha barriga. Mas, sim, é pra isso que eu gostaria de ter me preparado. Vai ver não tem como, vai ver a gente só aprende a pedir ajuda pedindo… mas se eu pudesse ter me avisado sobre alguma coisa seria isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.