Tuesday Top Five – SP Confusa

Se semana passada eu fiz uma listinha de lugares baratos e delícia para comer em São Paulo. Hoje eu resolvi fazer uma lista das coisas que eu acho confusas, surreais e engraçadas aqui. Mas não se ofendam, paulistanos, eu adoro morar aqui. Mais que isso: eu escolhi morar aqui. 🙂

Em 5º lugar: A discreta indiferença

Confesso que ainda tenho dúvida se paulistano é discreto ou indiferente. Eu sinto que se eu cair morta na Paulista é capaz de pularem por cima da minha cabeça horas e horas até perceberem que tem uma pessoa caída. Pode ter cabelo verde limão, chorar na rua, levar um tombo, usar uma roupa mega estranha: ninguém-te-olha. As poucas vezes que me olharam na rua ou era assalto ou era cantada. Hehe.

Em 4º lugar: Picolé e sorvete

Em SP sorvete se chama ‘sorvete de massa’e picolé se chama ‘sorvete de palito’. Jamais vou entender a indiferença com o vocábulo ‘picolé’. Mas, teimosa, me recuso a essa mudança lexical.E também sigo chamando o doce ‘casadinho’ de ‘josefina’ e ‘mandioquinha’ de ‘batata baroa’.

Em 3º lugar: O drama mineiro

Volta e meia algum paulistano me pergunta se eu sou carioca, respondo que não, que eu sou mineira. Ele, prontamente diz: “mas mineiro fala que nem interior de sp, porrrta”. Respondo que não, que minas é um estado grande e que apenas quem é do sul de minas – perto de sp – fala desse jeito. Eu sou da zona da mata e falamos de outro jeito (não, Leopoldina não fala igual ao Rio!). Mas sinto que eles não se convencem e continuam me achando carioca. Mesmo eu não falando Thaixxxx.

Em 2º lugar: Metrô Consolação e o Metrô Paulista

É. Aqui em sp o metrô consolação fica na avenida Paulista e o metrô paulista fica na avenida Consolação. Quédizê! Parece piada, mas não é. Me disseram que o paulista foi construído depois e aí ficou assim para não ter que mudar os nomes, mas eu acho de outro planeta! Pobre turistas! hehehe

Em 1º lugar: O Carro

Quando eu cheguei em aqui eu achei que nunca fosse entender as pessoas, o trânsito e a cidade. Tudo é muito grande e longe e as pessoas são muito diferentes entre si (graças a Deus!). Depois de 2 ano, já me sinto bem adapta. Consegui decorar algumas ruas (sou meio sem bússola) e já entendi o ritmo apressado, mas ainda tem uma coisa que de-tes-to: essa função carro. Quase todo mundo tem carro e vai, sozinho, pro trabalho (é só passar uma semana observando os mais variados lugares). O transporte público ainda é muito falho e todo mundo me olha com cara de ET quando digo que não sei dirigir. Eu sei, a confusa e estranha talvez seja eu. A verdade é que meu plano era não dirigir nunca, acho carro um saco, tenho pânico de atropelar alguém de moto e eu gosto dessa coisa de ver gente – e, sinto muito, mas nada nivela mais que andar de ônibus. E eu adoro, adoro olhar as pessoas, pensar de onde elas vem, pra onde tão indo. SP é muito plural, tem gente de todo jeito. Andar de metrô ou de ônibus é poder ler no caminho, olhar o mundo, ver gente que não é da sua galera. De carro tem que olhar pra baixo, pra cima, pra todos os lados, preso no seu quadradinho. SP me obrigou e, sim, eu vou aprender a dirigir. A cidade é grande demais, sei lá, não sou eu que vou dizer o problema do transporte público da maior cidade do Brasil, mas é foda. Pra fazer uns caminhos pequenos tem que pegar um milhão de conduções, tudo lotado, todo mundo exausto. Tudo demora pra chegar. SP exige sobreviver, exige coragem, exige. O desafio, pra mim, é não me isolar. A virada é legal, sim, transitar nos lugares diferentes também. Demorei a entender a pluralidade mas hoje é o que me pega, o que me encanta: tem tudo e eu quero ver mais.

0 comentário em “Tuesday Top Five – SP Confusa”

  1. Aiaiai, tô lendo seu blog compulsivamente desde ontem e me identifico cada vez mais com você! Não entendo gente que dorme maquiada – quando cheguei da minha formatura, às 3h30 da manhã, adivinha se caí direto na cama? Nããão, tirei cuidadosamente cada um dos 500 grampos que seguravam minha juba, arranquei os cílios postiços e entrei debaixo do chuveiro pra mandar toda aquela montação e a armadura de laquê pelo ralo! Fui dormir às 5h limpinha e feliz. Não sei se sua obsessão chega a esse ponto, mas essa sou eu! Hahahaha
    Ah, e eu também odeio, o-d-e-i-o, ODEIO dirigir. Tentei curtir, mas não rolou. Morro de medo de bater o carro ou de atropelar alguém! Mas ao contrário de 95% dos habitantes da selva de pedra, eu acho o metrô daqui bem bonzinho, viu? Só aprender a evitar os horários de pico e ser feliz. Beeeijo!

    1. Thais Farage

      hahahhaha ai que delícia, Roberta, muito bom saber que não estou sozinha. E, sim, sou igual a você: demoro mil horas da hora que chego da balada até ir dormir. Seeempre tomo banho, tiro toda a maquiagem, às vezes até lavo e seco o cabelo. Vou dormir meu marido já tá no décimo sono. Mas durmo muuuito melhor, faz toda a diferença pra mim!

      MORRO de medo de atropelar alguém, haha, mas to tentando dirigir. Uma vez por semana venho pro trabalho de carro… e tem rolado. Tá certo que já bati na garagem, já arranhei o retrovisor, mas tô indo! hahah.

      Muitos beijos, amei seu comentários!

  2. Você já está há dois anos em SP? Caramba… passa rápido.

    Bom saber que eu não sou a única alienígena no planeta que prefere transporte público a carro!
    <3

  3. morei 5 anos aí, gosto de SP mas acho que essa lado “apressado” (que eu leio como neurótico) tira muito a qualidade de vida da cidade. engraçado que, apesar de ninguém te olhar na rua, eu sinto uma vigilância muito maior dos comportamentos em SP do que no Rio. Em SP o teu nicho/grupo/tribo/whatever te cobra muito mais para desempenhar o teu “lugar” social e isso me incomoda bastante.
    Adoro SP, mas encontrei no Rio uma “SP mais easy-going” que me faz muito feliz aqui agora…rs (tem outros Rios, claro, mas eu sou muito paulistano pra eles…hehe)

  4. No Rio a Josefina também é casadinho. Acabei me rendendo, quando morei lá, porque gosto muito desse docinho e se continuasse teimando nunca mais ia conseguir provar um…

  5. Sou encantada com Sao Paulo, justamente por essa pluralidade e por poder pensar que “tudo” é possivel. Maaaas, o fato de ser gigante me da um pouco de medo, confesso. Isso da indiferença dos paulistanos tbm é algo que eu, mineira, tbm teria dificuldade de me acostumar com certeza!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.